Eles são fofinhos, pequenos, inocentes, engraçados, divertidos, lindos… umas fofurinhas, e também os maiores produtores dos nossos micos.

Qual a mãe que nunca pagou um mico por causa do filho? Acredito que todas nós já passamos por uma baita saia justa, das mais engraçadas a aquelas que nos deixam literalmente com a cara no chão.

Boca no trombone:

Quem manda falar assunto de adulto perto de crianças? Na primeira oportunidade e da maneira mais inocente, leve e sem maldade, eles colocam a boca no trombone e revelam na caruda aquele assunto ou o nome daquela pessoa. Ex.: “minha disse que você é chato”, “minha mãe não gosta de você”, “minha mãe falou que seu cabelo ficou feio”… São uma infinidade de coisas que eles começam a dizer, reproduzindo aquilo que nos ouviram falar em algum momento. E eles fazem isso porque querem usar a informações que aprenderam e mostrar aos pais que são inteligentes e lembram do que foi dito.

Sem vergonha:

Até certa idade as crianças, em sua maioria, desconhecem a vergonha (a delas e a nossa neh?) e por conta disso sobra para os pais pagarem o mico. A Alice, filha a Pri, tem 1 ano e 4 meses, e está um pouco distante de entender sobre seus limites. Basta passar qualquer cidadão do planeta com um alimento na mão, que lá está ela atrás com aquela boquinha faminta pedindo um pedaço da comida. Ela, sem timidez alguma, se aproxima, estende a mão e fica “dᔓdá”. Praça de Alimentação é um local que mães, com bebês assim, começam a evitar, pois aquela criaturinha faminta, é capaz de ir mesa por mesa e pedir comida.

Crianças são especialista em Saia Justa! Mas o que fazer nessas situações? Ah divirta-se! Pagar mico faz parte do pacote de se ter filhos. E com certeza depois que você se recuperar da vergonha, contará o ocorrido como uma história engraçada e será capaz de rir sozinha quando se lembrar da cena.

Poderíamos listar inúmeras situações constrangedoras que nossos filhos nos fizeram passar mas gostaríamos de saber as suas. Compartilhe conosco para rirmos um pouco.

Beijos

Written by admin

    4 Comentários

Leave a Comment